...
NÃO IMPORTA QUEM SOMOS PEDESTRES, PASSAGEIROS, CICLISTAS, MOTOCICLISTAS OU MOTORISTAS ▬ TODOS NÓS DEVEMOS ESTAR ATENTOS E EXERCER A SEGURANÇA QUANDO ESTAMOS NO TRÂNSITO.

Seguidores

Aviões gerados quimicamente

Segundo o site Oficina do Saber, nos está patrocinando um novo conceito, os Drones e pequenos Aviões serão cultivados em tanques e crescerão como bolos.

Aviões gerados quimicamente
Pesquisadores da Universidade de Glasgow, na Escócia, e da empresa aeroespacial BAE Systems anunciaram um novo conceito para a fabricação rápida de drones e pequenos aviões.
Em lugar da mais tradicional fabricação aditiva – ou impressão 3D -, Lee Cronin e seus colegas estão planejando “cultivar” os aviões em grandes tanques, no interior dos quais reações químicas dirigidas fariam todo o trabalho, construindo toda a estrutura do drone.

A nação agoniza

Todos possuem livre-arbítrio, podem conduzir suas vidas como bem entenderem, mas todas as ações geram reações. É preciso ter consciência disso, de que a semeadura é facultativa, mas a colheita é obrigatória.
Da lei de causa e efeito ninguém escapa, portanto, não existe privilegiados no universo.

Alguns acreditam que podem até dar um jeitinho bem brasileiro. Entretanto, as leis universais que são naturais e imutáveis não punem, mas também não fazem vista grossa.

Todavia, ninguém neste mundo perde a consciência do bem e do mal. Pode até ter um começo aparentemente favorável, porém, mais cedo ou mais tarde a Lei do Retorno aparecerá com juros, correção monetária e sem falhas.

Onde estão os BONS e os GRANDES homens?

Porque o Brasil tornou-se caso de polícia? Por que a família brasileira está encurralada, amedrontada e sem perspectiva de futuro? Por que até alguns detentores de poderes declinam diante da verdade suprema que emana do povo? Nossa nação se entristece e se enoja dia a dia! Então questionamos... Onde estão os BONS e os GRANDES homens?

Onde estão os políticos decentes neste país, para retomar o caminho da dignidade e dar um basta na impunidade, ou o nome "Odebrechet" é apenas a ponta do iceberg?

Por que se permite que tantos cínicos e psicopatas avassalados gritem, além de continuarem decidindo e desgraçando nosso destino? Por que se permite que o poder constituído envergonhe a nação brasileira? Por que há foros privilegiados? Por que se permite que delinquentes tenham acesso à vida pública? 

A consciência da ordem e do progresso se inverteu para a ruína e a desordem, mas ainda há tempo para reverter essa situação!

Respeito ao próximo, um caso espiritualista - Por Luciana Costa

Presa num gigantesco engarrafamento, uma motorista aguardava pacientemente. Enquanto os outros condutores desligavam os automóveis e saíam deles reclamando, olhando impacientemente para o relógio de pulso e blasfemando algumas palavras, a calma motorista mantinha-se serena.

Acostumada a fazer aquele trajeto todos os dias, sabia que um engarrafamento daquelas proporções só poderia ter sido provocado por algo grave.

Desconfiada de que acontecera um terrível acidente, inclinou levemente para trás o banco do veículo e elevou os pensamentos aos espíritos superiores, cujo objetivo era firmar um ponto de apoio para que os amigos astrais pudessem auxiliar as possíveis vítimas.

13 de setembro de 2016, dia histórico! MUITO OBRIGADO MPF e Policia Federal - MUITO OBRIGADO!


Neste dia 13 de setembro de 2016, brilhou a coragem dos fervorosos e jovens paladinos do MPF e da Policia Federal, atitude de quem ama a pátria onde nasceram. E, como patriotas e força de vontade em darem o melhor de cada um ao seu pais, hoje tornaram público a verdade escondida pelo impatriotismo no ego mentiroso de interesses escusos.

Nós, povo brasileiro nos orgulhamos de vosso heroico trabalho, hoje podemos finalmente aplaudir, nos emocionar e chorar de alegria, MUITO OBRIGADO jovens senhores do MPF e da Policia Federal, vosso caminho é longo! MUITO OBRIGADO!

Brava gente brasileira!
Longe vá temor servil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil
Ou ficar a Pátria livre
Ou morrer pelo Brasil


Vamos reconstruir nosso BRASIL

Vamos reconstruir nosso BRASIL...
É hora que cada um de nós reconstrua, por menor que seja a fazer, tudo que o bom senso nos diga no cumprimento de nosso dever de patriota.
Amarelo no amarelo, azul no azul e verde no verde!
Nossas cores são lindas, com estrelas brancas envoltas pelo azul!
Nossos hinos são eternos!

Brigas, acidentes inexplicáveis

Brigas inexplicáveis, acidentes sem causas aparentes, ou misteriosos, viagens interrompidas em que alguém de nossa família está envolvida.
Aquelas discussões voluntariosas, impulsivas, ou por pura teimosia, que depois você se questiona; de novo comigo? Porque fiz isso ou aquilo? E, não encontra nada que justifique tais atitudes.

A predicadora da Rota 66 - Histórias que o povo conta

Tudo aconteceu por volta do verão de 1941, diz a lenda que o jovem casal MIKE e JULIE, tentaram viver no povoado tipicamente de mineiros de Oatman, Arizona, ele um esforçado mineiro e ela uma dedicada esposa e muito cristã, com sonhos de construir uma pequena capela e ser predicadora.

Não se sabe as razões, subitamente largaram tudo, provavelmente uma difícil e especial notícia, subiram numa Triumph 1937, que MIKE trocou às pressas por algumas pepitas de ouro e saíram com destino a Cidade de Oklahoma onde tinham família.


Já haviam cruzado os estados do ARIZONA e NOVO MEXICO, estavam viajando através do Texas, no caminho mal paravam para se alimentarem. JULIE cansada se agarrava ainda mais forte a MIKE, o dia esteva nublado, ao anoitecer romperam-se alguns raios com clarões e trovões no horizonte, dando inicio a uma leve chuva. MIKE também cansado, mas sentia-se forte pelo calor do corpo de JULIE.

Um pedido a motociclistas pragmáticos que amam a liberdade e a natureza...

O verão chegou, tempo aberto, é hora de tirar a capa empoeirada do bebê, depois a limpeza, revisão, e ajustar o escapamento, agora abra o peito, e declare seu amor por ela, com uma grande bravata, “você é o meu bebê, e como sou bonzinho, vou te levar para tomar um ar fresco”.

Pois é gente, o escapamento de muitas motocicletas está se tornando um grande problema para o ouvido de muitos, porém para o motociclista que ama a família, e sabe desfrutar do prazer da liberdade, a motocicleta é tudo e mais um pouco.

E que felicidade sentir a brisa no peito e depois beijar o asfalto!

Pedido ao Prefeito de Santos, Câmara de Vereadores, Ongs, CET e Polícia Militar

Peço a gentileza de apresentarem ao prefeito e a Câmara de Vereadores, o devido cumprimento de lei exigindo maior fiscalização da policia militar e demais órgãos de transito, para que as motocicletas tenham o som de seus escapamentos regulados conforme determina a lei do código de transito brasileiro, pois muitas delas estão a fazer um infernal barulho em toda a cidade e também nas avenidas da orla da praia, causando o crime ambiental da poluição sonora.

Além do que, a desregulagem destes equipamentos causam danos ambientais como poluição, além da sonora a atmosférica e problemas de saúde grave em crianças, estudantes, convalescentes em hospitais, animais domésticos e também a pessoas idosas.

Como ultrapassar cruzamentos com segurança em qualquer esquina nos Estados Unidos

O trânsito americano é muito simples, mas os motoristas têm que observar alguns detalhes:

Devido à importância dos cruzamentos, esta regra é ensinada às crianças desde a mais tenra idade, então, qualquer pessoa que está em trânsito nos Estados Unidos, ao dirigir precisa respeitá-la, assim evitará multas e pontos na carteira!

• Guarda-se distâncias entre veículos, inclusive motos, mas nos cruzamentos quando houver sinal de PARE, torna-se necessário parar.

• Mas algumas pessoas possuem dificuldades para entender esses cruzamentos. Assim, o motorista ao se aproximar de qualquer cruzamento, se houver placa de PARE, mesmo que nos demais lados da esquina não haja nenhum outro veículo, PARE!

• Sinal de PARE significa parada total, esqueçam aquela olhadinha pelo canto do olho e seguir em frente sem parar. 

Ataque de coração – Saúde sobre rodas

Caros taxistas e demais motoristas, mas principalmente aqueles que por força da profissão dirigem longas distâncias e ficam por mais tempo fora de casa e acabam se descuidando da saúde.

Também temos que incluir o cidadão comum, que vive para seu trabalho e apenas dirige seu veículo como forma de locomoção.

Hoje nossa prosa é sobre um “ataque de coração.”

Depois de um dia de trabalho especialmente difícil, seu veículo está preso no trânsito

Está realmente cansado e frustrado...

TENSO, MAL DISPOSTO E ALGO ESTÁ TE INCOMODANDO...

Ilha de Marajó - Por Thymonthy Becker



Quando Gabriel García Márquez idealizou o cenário de Macondo em seu romance “Cem anos de solidão”, ele certamente não tinha em mente a Ilha de Marajó, a oeste da foz do Rio Amazonas, às margens do Rio Pará e do Atlântico.


Estrada da Graciosa - Serra do mar paranaense - Por Arno Mario Müller

A Estrada da Graciosa é uma estrada do Estado do Paraná que interliga os municípios de Antonina e Morretes, situados na planície litorânea, ao município de Quatro Barras, situado no primeiro planalto paranaense, vencendo um desnível médio de 900 m constituído pelas escarpas da Serra do Mar.

Sua construção foi iniciada em 1854 por ordem do primeiro Presidente da Província do Paraná, Conselheiro Zacarias de Góis e Vasconcelos.

No seu traçado foi aproveitado parcialmente o Caminho da Graciosa que, por muitas décadas, foi usado por tropeiros que faziam o transporte de mercadorias entre o litoral e o primeiro planalto.

Até a década de 1960, a Estrada da Graciosa era a única via pavimentada do Estado do Paraná.

Bryan – Histórias que o povo conta


Ele quase não viu a senhora, com o carro parado no acostamento. Mas percebeu que ela precisava de ajuda. Assim parou seu carro e se aproximou.

O carro dela cheirava a tinta, de tão novinho. Mesmo com o sorriso que ele estampava na face, ela ficou preocupada. Ninguém tinha parado para ajudar durante a última hora. Ele iria aprontar alguma? Ele não parecia seguro, parecia pobre e faminto.

Ele pode ver que ela estava com muito medo e disse:

- Eu estou aqui para ajudar senhora. Por que não espera no carro onde está quentinho? A propósito, meu nome é Bryan.

Bem, tudo que ela tinha era um pneu furado, mas para uma senhora era ruim o bastante. Bryan abaixou-se, colocou o macaco e levantou o carro. Logo ele já estava trocando o pneu. Mas ele ficou um tanto sujo e ainda feriu uma das mãos.

Um incidente na Ponte do Riacho da Coruja - An Occurrence at Owl Creek Bridge - Por Ambrose Bierce

Ambrose Gwinnett Bierce, nasceu em Ohio no dia 24 de junho de 1842 e dado como desaparecido no México em 1914, é o décimo entre 13 filhos, de um casal humilde, mas literário, que transmitiram ao filho amor pelos livros e a escrita, levando-o a iniciar sua vida profissional aos 15 anos como jornalista, num pequeno jornal em Ohio, transformando-se em editor, contista, fabulista, e satírico, foi sarcástico da natureza humana recebendo o apelido de “o amargo Bierce”.

Seu estilo literário abraça referências a ciclos temporais, descrições limitadas, eventos impossíveis e temas da guerra.

O autor, então com 19 anos, alistou-se no Exército da União, no início da Guerra Civil Americana, participou de várias batalhas com experiências aterrorizantes, que se tornaram a sua fonte para várias histórias curtas, e mais tarde escreveu um livro de memórias "O que eu vi de Shiloh". Se destacou quando, de forma ousada, abaixo de fogo intenso, resgatou um soldado gravemente ferido na batalha de Rich Mountain.

Mas, em junho de 1864 na batalha da montanha Kennesaw, sofreu um grave ferimento por uma bala que perfurou seu crânio, circundou sua cabeça e foi alojar-se no outro lado, próximo ao ouvido, que o afastou da guerra.

Em seus contos, o autor descreveu cenários sombrios com momentos e enredos de terror, razões que levou alguns de seus mais ácidos críticos literários, levantarem a hipótese de que esse grave acidente na guerra afetou sua mente. Mais recentemente, o editor da Revista Legendary Times, Senhor Giorgio Tsokaulos, representante de uma nova geração de pesquisadores do fenômeno ufologia, confundiu ainda mais a história do autor e fez a seguinte citação, "de certa forma, esse acidente revitalizou o seu cérebro conectando-o com extraterrestres".

Ao nosso entender percebe-se que o autor, Senhor Ambrose Bierce, ao assimilar os conhecimentos literários transmitidos por seus pais, foram a base  para aos 15 anos, iniciar sua vida na carreira jornalística num pequeno jornal em Ohio, desenvolvendo a perspicácia na arte de escrever. Depois como soldado, durante a guerra civil americana, tirou proveito de sua experiência na carreira jornalística,  registrando fatos e ideias, tornando-se fácil para o autor narrar atitudes do gênero humano de sua época.

Este conto foi descrito numa época onde casos de sabotagem, ou traição para com a pátria, eram sumariamente enforcados.

Um incidente na Ponte do Riacho da Coruja - "An Occurrence at Owl Creek Bridge" - Por Ambrose Bierce

A partir de uma ponte ferroviária no norte do Alabama, um homem observava o rápido fluxo de água seis metros abaixo. Suas mãos estavam atrás das costas, pulsos amarrados com uma corda; outra corda em volta do pescoço e amarrado em forma de cinta sobre sua cabeça com a ponta pendendo até os seus joelhos.

Alguma das tábuas soltas colocadas sob os dormentes dos trilhos, foi usada como um suporte a ele e seus executores, dois soldados da federal, sob o comando de um sargento, que na vida civil deve ter sido homem da lei. Não muito longe deles, no mesmo piso da ponte de madeira, era um oficial do exército com emblemas de graduação; ele era o capitão.

Em cada lado da ponte tinha um vigia com armas, o cano do rifle sobre o ombro esquerdo e culatra apoiada no antebraço transversalmente cruzados sobre o peito, a postura forçada que obriga o corpo a permanecer na posição vertical. Estes dois homens não estão interessados no que estava acontecendo na ponte. Eles apenas estavam bloqueando os acessos da ponte. Na frente de um dos vigias não havia nada; a estrada de ferro penetrava em uma floresta por algumas centenas de metros e, desaparecia na curvatura. Sem dúvida, não muito longe dali, havia uma posição de liderança.